terça-feira, 21 de abril de 2009

Cuba - Artistas e Baratas, Fidel e Obama

eCuba - 10º Bienal de Havana , abriu suas portas no dia 27 de março no Museu Nacional de Belas Artes de Cuba. Mais de 200 artistas de 40 países participam da exposição. Dez baratas com rostos humanos decoram a fachada do Museu Nacional, 'Survival' é o apelido da obra do artista cubano Roberto Fabelo, "uma evocação do sentido kafkiano do mundo atual, reforçando a ideia de que depois de uma guerra nuclear, as baratas serão as únicas sobreviventes".




(Fotos: Claudia Daut/Reuters)

Artistas brasileiros que participam da 10º Bienal:

Paulo Bruscky, artista pernambucano que ganhou uma sala especial na mostra de arte cubana, onde exibe retrospectiva de 40 anos de sua produção.



Ronald Duarte, o brasileiro, mostra sua performance "Nuvens de Obbatalá", sobre a violência urbana.

Sergio Cezar, artista brasileiro que montou uma maquete em miniatura que representa as favelas cariocas. A obra é chamada 'Complexo de Fátima', tem 4 metros quadrados sendo toda feita com material reciclável.



Falta de Liberdades Democráticas - A Ditadura Cubana

No dia 29 de março a blogueira Yoani Sánchez, editora do blog Generación Y, uma das páginas cubanas mais lidas no exterior, pulou 'o muro do controle' fez duras críticas a ditadura cubana e pediu liberdade de expressão em Cuba. O ato de Yoani Sánchez foi considerado uma provocação contra a 'Revolução Cubana' e classificado como um 'oportunismo vergonhoso'.



Leia: OBAMA, CUBA E A LIBERDADE INDIRETA


Fidel Castro e Guevara derrubaram a ditadura de Batista. A Revolução Cubana foi um importante acontecimento na história latinoamericana, meio pelo qual se rompeu a tradicional influência dos interesses dos Estados Unidos na América Central.
Depois de mais de quatro décadas no poder o governo de Fidel Castro exibe seus melhores êxitos no campo social: eliminou o analfabetismo, reduziu o desemprego e implantou a assistência médico-hospitalar gratuita a população diminuindo a taxa de mortalidade infantil; o governo de Cuba apoia enfaticamente a pesquisa médico e científica.
Mas Fidel Castro sofre sérias dificuldades devido ao embargo econômico dos EUA. Na área econômica, devido a falta de alguns gêneros alimentícios, combustível, máquinas e outros artigos, Fidel foi obrigado a flexibilizar a economia ao permitir algumas atividades capitalistas e investir forte no turismo. Mas o povo cubano sente falta de usufruir as liberdades democráticas. De que adianta a preocupação com a 'coisa pública' se um povo não tem liberdade de expressão e o seu direito de ir e vir é cerciado?
As medidas tomadas pelo presidente dos EUA, Barack Obama: - liberar as viagens de cubanos residentes nos EUA à Cuba, liberação de envio de remessas e a autorização para que empresas de telecomunicações operem em cuba; são medidas importantes que marcam uma mudança na política entre os dois países e que pode por fim ao embargo comercial que já dura 42 anos. O embargo econômico imposto a Cuba é tão cruel e desumano quanto a ditadura Cubana.
Estamos assistindo o começo de uma nova era nas relações entre Cuba e EUA, só podemos torcer para que essa transição seja feita de maneira pacífica e que o diálogo de Raúl Castro com Obama resulte na libertação dos presos políticos e devolva a liberdade de imprensa e todos os direitos humanos para o povo de Cuba.

3 comentários:

Herika disse...

rk... Que baratonas nojentas. Fiquei toda arrepiada só com as fotos, acho que não teria coragem de ir a uma exposição dessas =D
Beijos!!!

Rodrigo Piva disse...

Assustadoras essas baratas gigantes, hein? hehehe

Beijo

Arthurius Maximus disse...

Olá Beth!

Agradeço a citação.

E o que você relata é muito simples. Por mais linda que seja uma gaiola, sem liberdade, ela ainda é uma gaiola. O povo cubano conseguiu avanços fenomenais com a revolução. Mas, sem liberdade e sem a simples garantia de falar o que pensa sobre seu próprio país; tudo o mais perde o significado.