sexta-feira, 13 de fevereiro de 2009

Darwin Matou Deus quando Criou a Teoria Evolucionista?

O aniversário de 200 anos de nascimento de Charles Darwin, cientista naturalista criador da teoria da evolução ou evolucionismo (a seleção natural) está sendo comemorado esse ano e juntamente com essa comemoração voltam à tona as polêmicas que giram em torno do conflito entre Darwin x criacionismo. Fica a pergunta - Darwin teria matado Deus, quando criou a teoria evolucionista?



O texto de Rodrigo Cavalcante,"Procura-se um Deus" - (Revista superiteressante), aborda esses questionamentos. Apesar de longo, o texto é sensacional, vale a pena ler!

Em pleno século 21, a humanidade continua tentando conciliar fé e razão. Mas será que algum dia a ciência terá condições de provar que foi mesmo Deus (ou alguma outra entidade superior) quem criou o Universo e determinou os rumos da evolução?

O zoólogo Richard Dawkins e o paleontólogo Simon Conway Morris têm muito em comum: lecionam nas mais prestigiadas universidades da Grã-Bretanha (Dawkins em Oxford e Morris em Cambridge) e compartilham opiniões e crenças científicas quando o tema é a origem da vida. Para ambos, a riqueza da biosfera na Terra é explicada mais do que satisfatoriamente pela teoria da seleção natural, de Charles Darwin. Os dois também concordam que, caso a história do nosso planeta pudesse ser reproduzida em outro lugar, a evolução provavelmente seguiria um rumo bem parecido ao observado por aqui, inclusive com o aparecimento de animais de sangue quente, como nós. Num encontro realizado na Universidade de Cambridge em outubro, porém, eles protagonizaram um novo round de um debate que divide a humanidade desde que o mundo é mundo: Deus existe? Morris, cristão convicto, afirmou na palestra promovida pela Fundação John Templeton (cuja missão é "explorar as fronteiras entre teologia e ciência") que a "misteriosa habilidade" da natureza para convergir em criaturas morais e adoráveis como os seres humanos é uma prova de que o processo evolutivo é obra de Deus. Já o agnóstico Dawkins disse que o poder criativo da evolução reforçou sua convicção de que vivemos num mundo puramente material. O debate entre Dawkins e Morris, como já foi dito, não é novo, longe disso. De um lado, é óbvio que sempre haverá bilhões de pessoas que acreditam em Deus. Ao mesmo tempo, dificilmente vamos viver para comprovar Sua existência (ou inexistência). Entender alguns laços que unem ciência e religião e mostrar como essa relação vem mudando ao longo dos tempos é o tema desta reportagem.

Durante muitos séculos, Deus (e só Ele) foi apresentado como o principal responsável pelo sucesso da aventura humana sobre o planeta – nas artes, nos livros, nas escolas e nas igrejas. Até que a ciência começou a mostrar que isso não era necessariamente verdade. Na década de 1860, a teoria da seleção natural e da evolução das espécies, de Charles Darwin, lançou as primeiras dúvidas consistentes acerca da influência divina sobre a ordem da vida na Terra. Com o passar dos anos, mais e mais pesquisadores passaram a defender que o destino da humanidade era abandonar gradativamente a fé e a religião em nome da crença em explicações "objetivas" para os fenômenos naturais. "No fim do século 19, os cientistas acreditavam estar muito próximos de uma descricão completa e definitiva do Universo", escreveu o físico britânico Stephen Hawking.

No século 20, Nietzsche, Marx, Freud, Sartre e outros chegaram a apostar na "morte" de Deus e no início de uma "era da razão". Não é preciso ser um especialista para saber que esse triunfo não se concretizou. Ao contrário. O que se observa hoje é uma revalorização da fé, inclusive entre os cientistas, como Simon Morris. "Ao longo da história, a relação do homem com o sagrado tem se mostrado um traço extremamente persistente", diz Oswaldo Giacoia Júnior, professor de história da filosofia moderna e contemporânea da Universidade Estadual de Campinas, a Unicamp. "Nos regimes socialistas em que a religião era proibida as pessoas substituíam a fé por uma ideologia."

Cabe, então, à ciência provar a existência de Deus? O paleontólogo americano Stephen Jay Gould acredita que nenhuma teoria (nem mesmo a da evolução) pode ser vista como uma ameaça às crenças religiosas, "porque essas duas grandes ferramentas da compreensão humana trabalham de forma complementar, e não oposta: a ciência para explicar os fenômenos naturais e a religião como pilar dos valores éticos e da busca por um sentido espiritual para a vida". É por pensar assim que ele sempre se colocou do lado dos pesquisadores que são contra misturar ciência com religião.



Quem é Deus?

O cabelo e a barba grisalhos denunciam a idade, mas o corpo é forte e musculoso. Os traços da face transmitem a autoridade de quem não hesitará em agir sobre o mundo caso seja necessário. Para bilhões de ocidentais, a pintura de Michelangelo no teto da capela Sistina, no Vaticano, é a síntese perfeita de Iavé, o Deus bíblico, aquele que "criou tudo em 6 dias". Como diz o escritor americano e ex-jesuíta Jack Miles, autor de Deus, uma Biografia, mesmo quem não acredita continua moldando seu caráter por influência dessa imagem. Miles faz uma análise surpreendente da Bíblia, ao tratar de Deus como um personagem literário. O resultado é que, como protagonista do livro mais influente da história, Iavé revela uma personalidade que oscila bastante em relação à sua criação – como no momento em que ordena o dilúvio, para tentar "consertar" tudo.

Mas esse Deus é apenas uma entre inúmeras concepções de divindades. Não há sequer consenso em torno do número de deuses. Para mais de 750 milhões de hindus, existem centenas deles, como Brahma, Shiva e Krishna, para ficar nos mais conhecidos. Em rituais xamânicos de origem indígena, os deuses incorporam até em plantas e animais. E para mais de 350 milhões de seguidores do budismo, não há sequer uma divindade a cultuar – apenas Buda, um homem que atingiu a iluminação e virou guia espiritual. Como, então, a ciência pode encontrar Deus?

Apesar disso, os estudiosos sabem que há algo em comum entre essas crenças. Sem exceção, elas acreditam que há uma ordem, uma espécie de propósito (ou, se você preferir, sentido) no Universo. Nenhuma religião trabalha com o pressuposto de que o acaso e a indiferença regem as nossas vidas. Curiosamente, foi a busca por essa ordem que acabou impulsionando o avanço da própria ciência.



Da geometria ao acaso

No século 18, a maioria dos filósofos e cientistas acreditava piamente que a humanidade estava prestes a decifrar (integral e definitivamente) a ordem do Cosmos. Na época, havia motivos de sobra para tamanho otimismo: fazia mais de 100 anos que Isaac Newton publicara Princípios Matemáticos da Filosofia Natural, considerada até hoje a obra mais importante da história da física. Nela, Newton não apenas descreveu como os corpos se deslocam no espaço e no tempo, mas desenvolveu a complexa matemática necessária para analisar esses movimentos. Segundo essa teoria, as leis do Universo eram estáveis e previsíveis, como se tivessem sido projetadas por um craque da geometria. Em 1794, o escritor, poeta e artista plástico inglês William Blake resumiu essa idéia ao desenhar Deus (um velho barbudo, como o de Michelangelo) criando o mundo com um compasso na mão. "A metáfora do Deus geômetra deriva da velha idéia platônica de um Universo dualista, em que há a necessidade de existir uma ordem, mas continua influenciando a ciência até hoje", diz o brasileiro Marcelo Gleiser, autor de O Fim da Terra e do Céu e professor de física e astronomia da Faculdade de Dartmouth, nos EUA.

A imagem de Deus, nesse sentido, era perfeitamente compatível com a visão científica do mundo da época. Os problemas só surgiam quando alguém tentava juntar as mais recentes descobertas da ciência com a história bíblica da Criação. Afinal, o estudo das camadas geológicas que formaram a Terra já provava que nosso planeta tinha milhões de anos – e não 5 mil, de acordo com os cálculos de Santo Agostinho. Mas bastava esquecer "detalhes" como esse para que todos fossem dormir felizes, conscientes de que o Universo tinha sido mesmo obra do Criador. Até que...

Se havia uma ordem no Universo, nada mais natural que ela comandasse todas as forças da natureza. E o homem, é claro, era visto como o exemplo máximo da perfeição da vida sobre a Terra. Mas Charles Darwin apresentou sua teoria sobre a seleção natural das espécies e colocou em xeque a idéia de que Deus era o responsável por tudo isso que está aí. Vale lembrar que Darwin nunca disse que o homem descendia dos macacos – apenas que homens e macacos eram parentes evolutivos com um ancestral comum (os paleantropólogos estimam, hoje, que esse "tataravô" viveu em algum momento entre 4 milhões e 6 milhões de anos atrás). Ainda assim, muita gente não aceitou a idéia de que as espécies vivas, incluindo a nossa, possam ter se desenvolvido graças apenas à seleção natural, tendo evoluído quase por acaso em meio a tantas outras espécies. O fato é que o estudo da história da vida em nosso planeta comprovou que, durante milhões de anos, outras espécies reinaram por aqui sem que houvesse nenhuma necessidade da existência dos homens. Como bem resume o cientista americano Carl Sagan no seriado de televisão Cosmos, recentemente relançado em DVD pela super, se a história do Universo fosse condensada em apenas um ano, o aparecimento da espécie humana teria ocorrido nos últimos instantes do dia 31 de dezembro.

E o avanço da física deixou claro que, se o Universo fosse um relógio, nem sequer o tempo marcado por ele seria preciso. Em 1905, Albert Einstein publicou seu estudo da Teoria da Relatividade que, resumidamente, pôs fim à idéia de tempo absoluto. A estabilidade perfeita das leis de Newton começou a se despedaçar para sempre. Logo em seguida, o estudo da mecânica quântica revelou que não é possível sequer prever a posição exata de partículas subatômicas, obrigando os cientistas a se contentar em trabalhar com probabilidades. Apesar de ter ajudado a destruir a velha noção de ordem no espaço e no tempo, Einstein acreditava cegamente que a natureza funcionava (ou deveria funcionar) segundo regras bem definidas – e não de maneira aleatória, como num grande jogo de azar. Numa carta para o físico Max Born, Einstein escreveu: "Você crê em um Deus que joga dados e eu, na lei e na ordem absolutas." Se para um cientista como Albert Einstein não era fácil lidar com o acaso e o caos, imagine para os que acreditam na religião.

Do ponto de vista da física pura, porém, é importante ressaltar que todo esse papo de criação do Universo tem pouca (ou nenhuma) importância. Não fosse pela descoberta da teoria do big-bang (segundo a qual ele surgiu após uma grande explosão), nem sequer haveria a necessidade de provar que houve uma "hora zero", afinal o tempo e o espaço são mesmo relativos, não é mesmo? Curiosamente, o big-bang passou a ser considerado por muitos fiéis a "evidência científica" de que a Bíblia está certa ao descrever o "início de tudo". Talvez para tentar explicar a incompatibilidade existente entre a física das partículas subatômicas e a Teoria da Relatividade, muitos pesquisadores têm discutido atualmente a chamada Teoria das Supercordas, que propõe uma explicação unificada capaz de preencher essas lacunas. "De qualquer maneira, essa tese é mais um desejo de encontrar uma ordem do que algo validado cientificamente", diz o físico Marcelo Gleiser.

E se a ciência conseguisse achar essa tal ordem no Universo, será que isso seria a prova da existência de Deus? Ou será que a busca pelo divino não passa de uma necessidade inventada pelo homem para colocar um sentido em tudo (afinal, até onde se sabe, somos os únicos animais que tentam entender por que existe a morte)? Nas últimas décadas, o que se tem visto é um acirramento das diferenças entre aqueles que acreditam que a complexidade da vida só pode ser explicada por uma inteligência superior e aqueles que defendem que a inclinação para acreditar em Deus é apenas um traço biológico da nossa espécie, ou seja, somos programados para ter fé. É o que veremos nas próximas páginas.



Deus vai à escola

Dover, no estado americano da Pensilvânia, é uma daquelas cidades tão pequenas que mal dá para avistar seu núcleo urbano da altura média de vôo de um jato comercial. A pacata vida de seus 1814 habitantes, a maioria descendente de alemães, quase nunca foi notícia nos grandes jornais dos EUA. Tudo mudou no dia 18 de outubro deste ano, quando teve início o julgamento sobre a grade curricular de uma escola pública local que decidiu dedicar parte das aulas de biologia ao estudo de uma teoria conhecida em inglês como intelligent design (algo como projeto ou desenho inteligente, numa tradução livre para o português). Seu principal cartão de visita é o fato de se contrapor à tese de Darwin sobre a seleção natural e a evolução das espécies. Como a Constituição americana garante a total separação entre a Igreja e o Estado, alguns pais acharam que a direção do colégio estava muito perto de misturar ciência e religião, apelaram para a intervenção da Justiça e o debate pegou fogo no país.

Nas salas de aula em questão, as crianças e jovens aprendem que várias tarefas altamente especializadas e complexas do organismo humano – como a visão, o transporte celular e a coagulação, entre outras – só podem ser explicadas pela ação de uma força maior ou, em outras palavras, pela intervenção de um ser superior, capaz de bolar o tal desenho inteligente do nosso corpo e da nossa mente. Para a maioria dos biólogos do planeta, contudo, essa tal inteligência não passa de um novo nome para um velho conceito: o criacionismo bíblico, segundo o qual estamos na Terra apenas porque saímos da prancheta (ou da imaginação) divina para nos reproduzir "à Sua imagem e semelhança".

Se, como já foi dito no início do texto, há muitos cientistas que não vêem motivos para buscar as impressões digitais de Deus na história do Universo, outros tantos acreditam que as teses de Darwin têm falhas e, como tal, precisam ser ensinadas nas escolas "em toda sua amplitude", ou seja, alertando os alunos para o fato de que há controvérsias a respeito das descobertas que o jovem naturalista inglês fez a bordo do navio Beagle. Os defensores do desenho inteligente juram que não têm nenhuma ligação com os criacionistas do século 19, que difundiam uma interpretação literal do Gênese para conter a rápida e eficaz disseminação das teorias darwinistas – apesar das críticas da maior parte dos colegas da comunidade científica.

"Uma coisa é você tentar justificar uma fé usando argumentos científicos, outra é descobrir uma teoria científica que pode ser compatível com a fé", disse à Super o bioquímico Michael J. Behe, pouco depois de depor no julgamento em defesa da "nova tese". Professor da Universidade de Lehigh, na Pensilvânia, e autor do livro A Caixa-Preta de Darwin, ele diz que, se toda formulação científica compatível com uma crença religiosa tivesse de ser descartada automaticamente pelos pesquisadores, os astrônomos jamais poderiam aceitar os estudos sobre o big-bang. "Estou apenas defendendo o direito dos estudantes de terem acesso a outras idéias sobre a criação do Universo", afirmou Behe.

A discussão em torno do ensino de ciências – inclusive com a interferência do Poder Judiciário – não é nenhuma novidade nos EUA. No início dos anos 20, muitos estados americanos simplesmente proibiram os alunos de ter aulas sobre as teorias evolutivas de Darwin. Em 1925, teve início um julgamento que, num primeiro momento, levou à condenação de um professor do ensino médio do Tennessee simplesmente porque ele acreditava que somos parentes dos macacos (e dizia isso em classe). Após sucessivos recursos de ambos os lados, o processo só terminou em 1968, quando a Suprema Corte decidiu que qualquer iniciativa no sentido de definir o currículo escolar com base em crenças religiosas era inconstitucional.

É por isso que tantos vêem o desenho inteligente como uma espécie de cortina de fumaça para colocar Deus de volta nas salas de aula? Será que, do ponto de vista científico, o desenho inteligente tem consistência? "Por enquanto, não", afirma Vera Volferini, professora de genética e evolução da Unicamp. Segundo a bióloga, não existem ainda argumentos científicos que sejam tranqüilamente aceitos pela maioria dos pesquisadores. "Teorias como essa presumem que o ser humano é o resultado de um projeto perfeito, o que não é verdade. É consenso entre os especialistas que o design humano, apesar de eficiente, está longe de ser inatacável biologicamente. A próstata do homem, para ficar em apenas um exemplo, não segue um desenho anatômico ideal", diz ela. E é justamente essa falha na concepção que provoca muitos problemas que afetam boa parte dos machos da espécie. Além disso, por que não poderíamos ter mais de 5 dedos em cada mão? Vera explica que, ao menos do ponto de vista biológico, temos esse número de dedos não porque seria um problema ter um ou dois a mais, mas porque fazemos parte de uma espécie cujo ancestral, há milhões de anos, tinha (por acaso) 5 dedos.

No Brasil, a teoria criacionista já desembarcou também – nos colégios públicos do Rio de Janeiro e, por enquanto apenas nas aulas de religião (em 2002, um lei proposta pelo governador Anthony Garotinho incluiu a disciplina "religião confessional" no currículo escolar). A presbiteriana Rosinha Matheus (mulher de Garotinho), na época governadora, afirmou ao jornal O Globo que não acredita nas teses darwinianas. Apesar de o assunto não ser tratado nas aulas de biologia por aqui, o tema vem preocupando entidades como a Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), que já se manifestou contra a disseminação do criacionismo nas escolas fluminenses. "O problema não é ter ou não uma crença pessoal", diz Marcelo Menossi, professor de genética molecular da Unicamp. "O problema é tentar justificar e espalhar essa crença usando falsos argumentos científicos."



Genética da religião

Nos anos 60, a britânica Jane Goodall afirmou que algumas espécies podem ter a religiosidade gravada nos próprios genes. A pesquisadora ficou famosa ao estudar o comportamento de chimpanzés na Tanzânia. Numa de suas numerosas observações, descobriu que os macacos agiam de maneira nada usual diante de uma cachoeira, demonstrando o que ela batizou de senso místico e de reverência. "Alguns permaneciam sentados numa rocha em frente à queda d’água, como se estivessem encantados. Outros ficavam sob a queda d’água por mais de 50 minutos, quando normalmente nem gostavam de se molhar." Goodall concluiu que esse comportamento é um traço de religiosidade primitiva. E nós? Será que também nós humanos fomos "programados" para acreditar em Deus?

Para o biólogo Edward O. Wilson, um dos pioneiros da sociobiologia (ciência que se dedica a compreender o comportamento humano por meio da biologia), a predisposição para a religião é mesmo resultado da evolução genética do cérebro. Segundo ele, nossa inclinação para acreditar num ser superior pode ser resultado da submissão animal. Ele conta que entre macacos rhesus o macho dominante caminha com a cauda e a cabeça erguidas, enquanto os dominados mantêm a cabeça e a cauda baixas, em sinal de respeito ao líder – em troca, eles têm proteção contra os inimigos e acesso a abrigo e alimento. Segundo Wilson, a tendência de se submeter a um ser superior é herança dessas ações. "O dilema humano é que evoluímos geneticamente para acreditar em Deus, não para acreditar na biologia."

Essa seria uma das razões pelas quais Deus é sempre invocado quando precisamos lidar com temas etéreos (e muitas vezes polêmicos, como a bondade, a solidariedade etc.). "Afinal, se Deus for apenas uma constante física, é óbvio que ele não terá nada a dizer sobre ética, certo e errado ou qualquer outra questão moral", diz o britânico Richard Dawkins.

O radiologista Andrew Newberg e o psiquiatra Eugene D’Aquili (que morreu há 9 anos) resolveram buscar diretamente no cérebro a origem da experiência religiosa. Utilizando aparelhos de tomografia, eles revelaram as áreas mais ativadas pela meditação em 8 budistas e em um grupo de freiras franciscanas. A pesquisa, cujos resultados foram publicados no livro Why God Won’t Go Away ("Por que Deus não Vai Embora", sem tradução no Brasil), mostrou que durante as orações havia uma diminuição da atividade no lobo parietal superior, a área do cérebro responsável pela nossa orientação de tempo e espaço, pela sensação de separação entre o corpo e o indivíduo e pela delimitação entre o "eu" e os "outros". Ou seja, ao meditar criamos um bloqueio que provoca a sensação de unicidade típica do êxtase religioso.

Além disso, várias outras pesquisas comprovam que ter fé, independentemente de acreditar em um ou mais deuses, faz bem para o corpo e a mente, pois melhora as condições de saúde e aumenta a sensação de felicidade. A ciência ainda não conseguiu explicar se Deus criou o nosso cérebro com essa habilidade ou se foi a evolução que fez o cérebro criar esse portal para Deus. Mas nesta nova era de espiritualidade talvez isso não seja tão importante assim. O que conforta muita gente é acreditar que é possível melhorar o mundo pela fé.


"A relação do homem com o sagrado tem se mostrado um traço persistente."

Oswaldo Giacoia Júnior, professor de história da filosofia moderna e contemporânea da Unicamp.

"A metáfora do deus geômetra deriva da velha idéia platônica de um universo dualista, em que há a necessidade de existir uma ordem superior, mas continua influenciando a ciência até hoje."

Marcelo Gleiser, professor de física e astronomia da Faculdade de Dartmouth, nos EUA.


"Uma coisa é você tentar justificar uma fé usando argumentos científicos, outra é você descobrir uma teoria científica que pode ser compatível com a fé."

Michael J. Behe, bioquímico e um dos principais defensores da tese do "desenho inteligente".


"Se Deus for só uma constante física, é óbvio que ele não terá nada a dizer sobre o que é certo ou errado em questões morais."

Richard Dawkins, zoólogo e professor da Universidade de Oxford, na Inglaterra.

Para muitos pesquisadores, o que distingue a ciência de outras visões de mundo é exatamente sua recusa em aceitar cegamente qualquer informação e sua determinação de submeter qualquer tese a testes constantes até que novos dados possam confirmá-la ou refutá-la. Essa visão baseia-se, entre outras coisas, na obra do filósofo vienense Karl Popper, que morreu em 1994. Segundo Popper, a ciência só pode tratar de temas que resistam ao que ele chamou de "critério de falseabilidade". Resumidamente, o papel do verdadeiro cientista é buscar, com persistência, erros em sua teoria – em vez de tentar achar dados que provem sua correção. Quanto mais genérica e exposta a falhas (ou seja, quanto mais "falseável"), menos provável ela é. Por outro lado, quanto mais resistente (menos falseável), maiores as chances de acerto, pelo menos até o próximo teste. É por isso que um grande número de estudiosos argumenta que não é papel da ciência provar a existência de Deus. "Não faz sentido alguém afirmar que, ao descobrir um mistério do Universo, está ajudando a decifrar a mente divina", diz o zoólogo britânco Richard Dawkins. Apesar disso, ele reconhece que é fascinante encantar-se diante dos mistérios da natureza – e das limitações científicas para explicá-los. Esse sentimento foi batizado pelo físico brasileiro Marcelo Gleiser de "misticismo racional". Em outras palavras, é uma espécie de declaração de amor pelos fenômenos naturais, que se concretiza por meio da pesquisa científica. Segundo ele, há um paradoxo por trás da incansável busca por uma ordem e um sentido no Cosmos. "Como o homem é o único ser capaz de amar, tem uma imensa dificuldade em aceitar que o Universo pode ser totalmente indiferente a ele", afirma.

"Se Deus não existe, tudo é permitido." A frase, que ficou célebre no livro Os Irmãos Karamazov, do russo Fiodor Dostoievski, resume uma das questões mais cruciais do mundo moderno: sem uma referência divina, passaríamos a viver numa espécie de vale-tudo moral? "Não necessariamente", diz o filósofo Oswaldo Giacoia Júnior, da Unicamp. "A busca de um código de valores sempre foi uma preocupação central da filosofia, sem necessidade de uma legitimação divina." No século 18, por exemplo, os ideais de igualdade e justiça social, aceitos hoje como uma preocupação ética, surgiram de formulações dos filósofos iluministas – que acreditavam ser possível defendê-los com base na razão, não na religião (na época, esse tema não era nada popular no Vaticano). Em meados do século 20, o francês Jean Paul Sartre, o pai do existencialismo – segundo o qual de nada adianta buscar um propósito da existência para além da vida humana –, disse que a nossa própria condição de seres que vivem em sociedade é suficiente para justificar a prática de valores solidários. E ainda hoje filósofos como o vienense Peter Singer (um dos mais ferrenhos defensores dos direitos dos animais) continuam defendendo uma série de condutas éticas baseadas na razão, não na fé. Mas será que a adoção pura e simples de uma ética sem Deus não pode nos levar a um racionalismo frio, capaz de ofuscar valores menos palpáveis, como a bondade? "A fé não se traduziu apenas em atos de paz e harmonia ao longo dos tempos", lembra Giacoia. "Dos grandes conflitos religiosos do passado ao moderno terrorismo fundamentalista, já foram cometidas inúmeras atrocidades em nome da ética religiosa em todo o mundo."


Deus, uma Biografia - Jack Miles, Companhia das Letras, 2002

Desvendando o Arco-Íris - Richard Dawkins, Companhia das Letras, 2000

Consiliência - Edward O. Wilson, Editora Campus, 1999

O Romance da Ciência - Carl Sagan, Francisco Alves, 1982

Why God Won´t Go Away - Andrew Newberg e Eugene D'Aquili, Ballantine Books, 2002

A Caixa-Preta de Darwin - Michael Behe, Jorge Zahar Editor, 1997

Fonte: Procura-se um Deus - Super Abril

25 comentários:

Arthurius Maximus disse...

Ótimo artigo. As teorias de Darwin se mostraram corretas até hoje. Os criacionistas querem vender uma utopia irreal.

JIME disse...

Darwin criou uma nova fronteira na ciência, ao determinar que as questões naturais precisam ser compreendidas por meio de processos da natureza. Isso faz uma diferença enorme, dissocia a ciência do pensamento religioso. Antes as perguntas terminavam em respostas sobrenaturais.

Anônimo disse...

este cidadão só quis provar que Deus não existe.Tem maluco pra tudo e eu sou un deles, desde quando ouvi essa lorota de evolução estou esperando um verme virar animal ou uma arvore, quem sabe um macaco virar homem. Embora o macaco não aprendeu matar mas o homem mata sem precisar aprender. será que Darwin incluiu isso em sua teoria?

McNeryb disse...

Eu concordo plenamente com vc "anônimo", Até hoje teria que se encontrar fósseis ou até mesmo "vivos" seres mutantes com parte de sua "IDIOTA EVOLUÇÃO", ou seja alguém ou "algo" com parte humana ou animal e vice-versa,e isso até hoje nos seus "milhões ou bilhões de anos de "evolução", e se assim fosse teria sido melhor ficar como animal , como vc disse eles não são "irracionais" como nós pois não odeiam nem tem motivos pra fazê-lo a seus semelhantes o mesmo que fazemos a outros e a nós mesmos. Como dizem os evolucionistas " é melhor crer no evolucionismo, que ter ter alguém pra prestar contas de suas más versações". Tenho dito . McNeryb.

Jardola disse...

bem na verdade darwin jamais quis matar Deus, alem disso grandes cientistas, filosofos, entre outros, acreditam em Deus como principio do surgimento das coisas, as unicas coisas que eles tentam revelar é quem nem tudo é feito por Deus, eles utilizavam a ciência para provar acontecimentos, a evolução etc...
exatamente como a igreja católica efetua ao encontrar um suposto milagre, eles utilizam varios experimentos cientificos para provar se o acontecimento é uma prova da existencia de Deus, uma obra da natureza, ou simplismente uma farça!!!

Pedro Lucio disse...

o homem tem a iminente nescessidade de acreditar em algo.afinal, ser filho do caos ou do acaso é muito triste pra quem ja reclama desde de pequeno a falta da mãe ou do pai.um raciocinio a considerar:"ou não somos livres e o responsável por todo mal é deus todo-poderoso, ou somos livres e responsáveis,mas deus não é todo-poderoso".Bom, eu prefiro acreditar que deus não exista,e voltarmos a fé pra nós mesmos,do que acreditar que ele é o responsavel por toda a maldade existênte,e não nós mesmos.Não condeno aqui as religiões teístas, pois a materialidade nunca trouxe pra alguem o reconforto que as promessas religiosas trazem.A dor da perda de um ente querido ou os momentos de pleno desespero, jamais serão suprimíveis com uma teoria cientifica ou um estudo analitico.Há que se reconhecer seu valor no mundo.No entanto, se há uma existência real de deus ou misticismos afins já é outra historia...

julinho disse...

sinto pena de vcs em dizer que deus não exista, mais cada um tem sua opinião da vida de como surgiu o mundo, mas ai eu pergunto a vcs: quando vcs acordam e ha um dia lindo, o sol radiante, passaros cantando e muitas outras outras coisas boas, vcs acham que uma explosão poderia criar algo tao belo e maravilhoso?

Anônimo disse...

Eu confesso que tenho muita pena de Darwin ,mas sinto muito por vcs também,de terem coragem de tecerem comentários tão absurdos a cerca da criação eu me sinto um privilegiado por ser criatura do Deus vivo.

Esdras disse...

Voces acredetam nesta"teoria", que nem mesmo o seu inventor, Darwin, acreditou totalmente. ele observou os animais e viu semlhanças neles e pensou o que nimguem ates tinha dito e ficou famoso. ele nao sabia responder questoes(nem seus discipulos hj) como a do olho humano, que e mais complexo que as mais avançadas camaras digitais, sem saber explicar pq uma cornea ficaria milhares de anos esperando uma iris se formar sem utilidade nenhuma.
E ainda existem provas contundentes de seu real arrependimento, pois em seu leito de morte pediu que fosse feita uma missa.
Ele nao matou Deus, sei disto pq Deus vem agindo de muitas maneiras, em minha vida e na vida de muitas pessoas que o buscam, ate mesmo de maneiras mais simples e quando nao esperamos.
Amigos nao falem daquilo que vcs nao experimentaram realmente. Busquem conhecer a Deus, com com coraçao e mente abertos, atravez do estudo de sua palavra e da oraçao sincera e terao mais Esperança na vida que Ele nos promete, do que na perspectiva de um mundo decaido que se aproxima do seu fim, como diz no filme "uma verdade inconviniente"(feito atrvez de pesquisas cientificas).
"Deus eh Deus de tudo, ate mesmo Deus da Ciencia"

Anônimo disse...

Darwin, criacionismo, criativismo.
Prefiro pensar em Darwin como o homem que libertou a humanidade da religião e digo religião, não da religiosidade, por que isso acredito que nos deve acompanhar sempre.

matheus disse...

Darwin um homem ateu,que quis brincar de Deus.Provavelmente não fez o dever de casa dele e ignorou a palavra da biblia,fazendo assim a divulgação dessa teoria.Para fim de conversa "DEUS É A IMAGEM E SEMELHAÇA DE TODOS" .Não é um macaco cheio de pelos e cerébro pequeno q possa ser minha semelhança..

Joao Gabriel Campregher Probst disse...

Vale lembrar que a ciencia e a religiao estao meio que interligadas ,nenhuma tem a verdade absoluta,juntas se aproximam da verdade

Joao Gabriel Campregher Probst disse...

Darwin nao afirma que o homem veio do macaco e sim que tinham o mesmo ancestral
Darwin jamais afirmou que Deus nao existia
A Ciencia e a religao estao se colidem,mas nenhuma tem verdade absoluta,e juntas se aproximam da verdade
Acreditar na ciencia nao quer dizer deixar de ter fe

Joao Gabriel Campregher Probst disse...

Nao tenha pena de Darwin ,ele criou uma teoria,tem livros sobre ele,tenha pena de voce

Anônimo disse...

Minha concepção em relação a tantas ipóteses vindas da opnião de cada um ñ é muito vasta,mas pode-se dizer q abrangente.Assim como João Gabriel comentou,e concordo com seu ponto de vista.Vejo q a fé a razão podem sim trabalhar de forma mutua em busca à uma compreenção maior que influencia na existência de cada um tão particularmente.O homem necessita tanto da crença por uma verdade interior,quanto da ciência através de pensadores como Darwin,que simplesmente tentou dar mais um passo com suas idéias em relação a isso.Nunca tendo afirmado a inexistência de Deus.Logo na (minha opinião) a inexistência Dele seria impossível.

Anônimo disse...

Darwin brincou com a palavra de Deus ! fez isso logo quando foi a primeira vez a uma igreja anglicana ao constatar que o que ele ( o padre )falava sobre Deus era mentira isso , dentro do livro de Gêneses . ele errou e espero que Deus os per doe tem umas explicação obvia de que Darwin e outros cientistas . LEIAM EM ROMANOS 1- DO 18 AO 32
MAIS O PRINCIPAL É DO 20 E 21 !! VAI ESCLARECER A DÚVIDA QUE VCS TEM CONTRA DEUS !! NÃO BRINQUEM COM A PALAVRA DO TODO PODEROSO !!

Anônimo disse...

...
É claro que Darwin não matou Deus !
Deus não pode ser morto e nem vai mudar quem é, só porque Darwin supõs algo que é no mínimo absurdo.
Se eu fosse cientista teria vergonha de dizer que td evoluiu de microorganimos. É um absurdo achar que uma "ameba" deu origem a algum ser animal ou vegetal. Quando a gente vê a complexidade das coisas q existem no mundo, não dá pra sequer imaginar isso. Observe o corpo humano...Tudo no seu lugar, td devidamente interligado, conectado numa perfeição sem fim. Observe o cérebro,as sinapses, os neurônios, os batimentos cardíacos, os sentidos...Um acaso não criaria tudo isso. Uma explosão não criaria tudo isso. Um acaso não colocaria nos passáros a sabedoria de migrar de um lugar para outro, um acaso não faria um girassol se voltar para o astro rei, Um acaso não permitiria que planetas se sustentassem no espaço, um acaso não criaria algo como a gravidade, um acaso etc...
Apenas alguém com poder infinito, pra pensar nos mais minusculos detalhes faria isso. Colocaria td no seu devido lugar, na sua devida ordem. Esse mundo foi penssado e arquitetado por Deus criador.
Só não vê quem não quer. Só não quem quer perder tempo tentanto achar respostas que não existem.
A maioria dos cientistas querem confiar em sí. acham que tem respostas para tudo, e querem se sentir superiores, quando na verdade Deus é que permitiu até que eles nascessem. Olhem a perfeção do processo comceptivo. Um acaso criaria isso?
Se fosse assim, acasos continuariam acontecendo.
Se quiserem ter certeza do que digo, é só achegarem-se a Deus que Ele se chegará a vós, e lhes mostraram o que tanto querem saber, pois assim diz o Senhor. E Ele sempre cumpri o que diz. Se quer achar a resposta que permeia a mente de muitos, é só buscar VERDADEIRAMENTE a Deus que Ele lhe mostrará suas maravilhas.
E já que cientistas gostam tanto de tirar provas, tirem prova disso porque lhes garanto que terão saciadas suas perguntas. O problema é que muito ignoram...

Não inventem artificios para explicarem as coisas. Deus existe e esse mundo foi por Ele feito. Simples assim...

Silvio Lacerda disse...

Darwin não matou a Deus , ele apenas não conheceu a verdade , se tivesse conhecido estaria liberto... João 8:32

Anônimo disse...

tudo lorota!!!!!!!Deus existe e fim de papo.

Patricia disse...

As teorias de Darwin são muito coerentes. Darwin não matou Deus de forma alguma. Ele criou o homem, com o evolucionismo. Adão e Eva é metáfora.

zezaomachado disse...

Não existe isso, como pode a super-interessante, abril...etc fazer alusão com um título desses ?
Deus é imortal para a humanidade,
mas não para voçe, para a sua mente. Deus é espírito. O que Darwin fêz foi a diferança lá atraz, hoje e sempre, jamais será esquecido. De ter dado a visão aos humanos de como surgiu a vida na terra e não a do cristianismo imbecil de Deus deu um sopro fêz Adão e aeh com um pedaço de costela do Adão fêz Eva, tenha santa paciência com essas melecas de historinhas. Arca de Noé, fazer pau virar cobra ou vice-versa, abrir o mar no meio, putz me enoja tais coisas. Mas a FILOSOFIA DE VIDA do cristianismo, tanto que já fui coroinha, tenho em mim como base o catolicismo mas nao sou, mas tudo que é de bom, seja de qualquer religião é bem vindo em qualquer lugar, mas a origem das epecies é o dilema aqui, sou Darwinismo puro e convicto, lógico que existiu Jesus Cristo, assim como Nostradamus, Newton, Alexandre o grande, Leonardo da Vinci, entre outros Darwin, thanks very much Charles.

Unknown disse...

Dá medo mesmo de ler esses comentários de crentes aqui e em outros lugares na internet. Uma das maoires conquistas da humanidade, e muitos remedios hj em dia só são possiveis graças a Darwin.
Parece que vamos entrando numa era de obscurantismo retrógrado por conta da disseminação do cristianismo evangelico fundamentalista...

Beckão disse...

Embora existam muitas teorias, só existe uma Verdade. Podemos estudar e encontrar "respostas", acreditar nelas e disseminá-las como sendo verdade, e mesmo assim só existirá uma Verdade, independente da nossa opinião, religião, formação intelectual.

Disse-lhe Jesus: Eu sou o caminho, e a verdade e a vida; ninguém vem ao Pai, senão por mim
João 14:6

Essa é a única Verdade. Você pode até não crer, mas não diga que nunca foi avisado.

Oppositer disse...

É uma tremenda prepotência tal afirmação. Darwin, Nietzsche, Dawkins ou seja lá quem for jamais poderão matar ou desconstruir o sentimento de espiritualidade inerente ao ser humano. Crer é essencial ao Homo sapiens, bem como reproduzir-se e alimentar-se. O fato é que a Ciência nos traz muitos fatos à luz, entretanto não possui respostas para todas as indagações. Darwin jamais negou a existência de Deus apesar de sua crise de fé; logo ciência é fé não são necessariamente correntes opostas e inimigas, faz-se mister a reflexão desses pontos. Evolucionismo e Big-bang são meras teorias e ainda não são tidas como verdades científicas tais como as Leis de Newton, porém ainda que fossem provadas sua veracidade de maneira incontestável, tal fato não negaria a existência de um grande Projetista e Arquiteto do Universo. Essa famigerada morte de Deus tratada neste artigo é como o menino que coloca uma venda presa aos seus olhos e passa, então, a dizer que não a sol. Ainda que todos os homens se tornem cegos, nada disso pode impedir a glória e o resplendor do Sol. Para concluir, gostaria de deixar um pensamento do Rev. Billy Graham: “Uma pessoa pode ser intelectualmente brilhante mas espiritualmente ignorante.”

Naty.. disse...

Eu não sei qual a intenção de Darwin ao criar a teoria evolucionista, só tenho a certeza que jamais ele poderia matar Deus poque Deus atravéz de Seu filho Jesus venceu a morte.Deus é uniciente, onipotente, unipresente.. Será que Darwin consegue ser pelo menos um pouco disso? Mas acredito que ele contribui muito para a ascessão da ciência e é um exemplo como homem a ser seguido.