sábado, 20 de dezembro de 2008

Mutilação Genital Feminina - Ofensa Grave aos Direitos Humanos

A mutilação genital feminina(MGF), vulgarmente conhecida por excisão feminina ou Circuncisão Feminina, é uma prática em que uma parte ou a totalidade dos órgãos sexuais de mulheres e crianças são removidos, desse modo, impedindo que a sinta prazer durante o ato sexual. Uma ofensa grave aos Direitos Humanos, sem dúvida nenhuma, que deve ser combatida e protestada por todos.



De acordo com o presidente da fundação de serviços sociais, de Jacarta, a circuncisão trás, sobretudo, três benefícios as meninas: a mulher é vista como mais bonita aos olhos do marido, psicologicamente é mais equilibrada.




Há vários tipos de mutilações com gravidades diferentes, segundo as várias tradições são removidos o clítoris ou os lábios vaginais. Há uma outra forma de mutilação genital chamada de infibulação, que consiste na costura dos lábios vaginais ou do clitóris.



Os grupos de combate a essa prática enumeram complicações graves para a saúde e o psicológico das mulheres. Existem vários riscos, inclusive o de morte e da transmissão da Aids. Para muitas a dor nunca passa. A menstruação e o parto ficam ameaçados, as relações sexuais tornam-se dolorosas e o prazer sexual da mulher é tolhido. Infecções e todo tipo de problemas na saúde sexual feminina estão relacionados à brutalidade da excisão, feita na maioria das vezes com instrumentos não-esterilizados e usados em várias meninas numa mesma ocasião, e sem anestesia.
Há relatos que esta prática seja muçulmana, mas em nada está fundamentada religiosamente. A mutilação é praticada na maioria dos casos na África, mas é comum em certos países do Oriente Médio, nas comunidades imigrantes, em certas regiões da Ásia como Índia, Indonésia, Sri Lanka, Malásia; e na América do Norte, América Latina e Europa.

A mutilação também é praticada em grupos indígenas na América Central e do Sul, como por exemplo no Perú, mas existe pouca informação sobre isso. Devido a imigração, países onde anteriormente não se praticava, agora já existe alguns que praticam, incluíndo países como: Austrália, Canadá, Dinamarca, França, Itália, Holanda, Suécia, Reino Unido, EUA, entre outros.

O que se pode fazer para ajudar estas mulheres?

A Organização Não Governamental CARE tem uma petição para por termo à Mutilação Genital Feminina. Esta petição pode ser assinada em:
https://my.care.org/campaign/fgcpetition

Mutilação Genital Feminina - como combater este crime? - Blog Imigrantes Brasil

Proteste de alguma maneira, contra essa violência absurda!

9 comentários:

Donizete disse...

Oi Beth tudo de bom prá vc. obrigado por publicar esta matéria e me dar os créditos. O Imigrantes Brasil foi na verdade criado com a intenção de botar a boca no trombone, sobre as atrocidades que acontecem neste mundo, inclusive no Brasil. Desejo a você muita paz em seu lar, que vc. esteja cada vez mais amável. Tem muitos amigos blogueiros com quem converso e tenho vontade de conhecer porque passa uma imagem boa. Você é uma delas. Fique com Deus e feliz 2009...

Beth Cruz disse...

A recíploca é verdadeira Donizete.
Fico também indignada quando vejo atrocidades como essas, um crime barbáro que precisa ser erradicado.
A arma que temos é a divulgação do nosso protesto.
Quando vier ao Rio não deixe de visitar a amiga aqui. A Aterrinha onde moro é um paraíso e excelente para pescar, você vai adorar.
Desejo a você e aos seus muita prosperidade, saúde e paz e um ano novo 2009 repleto de boas realizações. Fique com Deus.
Abraço querido

Rodrigo Piva disse...

Essa mutilação é um absurdo inaceitável tanto antes quanto nos dias de hoje. Absolutamente nada pode justificar tal prática.

Aproveito o comentário para retribuir os votos de boas festas. Que tenha um ótimo natal e uma excelente passagem de ano.

Beijo ;-)

Luis Hipolito @ The Blogger disse...

Tudo bem Beth?

Agradeço-lhe o comentário sobre Darfur e juntamente com sua postagem sobre a mutilação genital podemos ver como grande parte da humanidade ainda está sujeita à violência e à brutalidade que vai marcar sua vida inteira. Contudo, temos que ter esperança em um mundo melhor. Desejo um Feliz Natal e um ano de 2009 de muitas felicidades prá você e sua família.
Um grande abraço!

Eliude disse...

Oi minha flor. Muito obrigada. Eu também te desejo um Bom Natal e Um Novo Ano cheio de esperanças e realizaçoes.
Um elogio por abordar um tema tao cruel como a infibulaçao, de uma forma decisa e clara na intençao de que novas atitudes possam dar fim a um ato desumano e retrogrado. Parabéns!

Carolina disse...

Chega a ser quase inacreditável descobrir que ainda existe gente que pensa que um absurdo desses pode ser "benéfico" para a mulher... A crueldade dos que não seguem a Deus é impressionante... Deus tenha piedade dessas pobres crianças, vítimas desses monstros sem coração e sem sentimentos!

Luiz Antonio André disse...

É inacreditável, e inaceitável que exista esta bestialidade nos dias de hoje.
Abraços

Guilherme Freitas disse...

Sofrimento é a única palavra que posso classificar essa bárbarie que ainda é praticada hoje em dia. É inadmissível que ela ainda seja utlizada em diversos cantos do mundo. Isso é uma tortura e uma afronta as Direitos Humanos. Dizer que algo religioso ou tradicional não serve de desculpa. Os tempos mudaram. Li o livro "Infiel", da ativista somali Hirsi Ali Ayan, que conta detalhes de sua vida após sofrer essa mutilação e como sua vida mudou após esse episódio. Hoje ela luta pelos diretos de mulheres muculmanas que são mal-tratadas e torturadas, assim como ela foi.

Anônimo disse...

Absurdo mesmo essa prática ...
Não há como acreditar que existem pessoas que fazem essas coisas acreditando em Deus. Deus é tão amoroso que nunca iria aceitar essa prática.
Abraços,