sábado, 19 de abril de 2008

Própolis no combate a dengue

Segundo o pesquisador e biólogo de Florianópolis, Gilvan Barbosa da Gama, o própolis é um excelente repelente natural e um poderoso remédio para amenizar os sintomas da dengue.
O própolis é uma cera produzida pelas abelhas a partir das cascas, resinas e botões de flores. Em sua composição é encontrada além de vitaminas do complexo B, C,H e O, a própolis também possui em sua composição, a flavonóides, galangia, resinas com bálsamos, cera e pólen.
Ele explica que a própolis exala na sudorese dois dos seus princípios ativos: a Flavona e a vitamina B, que repelem os insetos.
Diz o pesquisador que existe uma só contra indicação ao uso do própolis,o fator alérgico. Apesar de ser muito raro essa sensibilidade, pode ocorrer. Porisso, antes de tomar deve-se fazer um teste alérgico.
Outra dica do biólogo é prestar a atenção ao tipo de própolis a ser usado, pois existem muito desses produto no mercado que são diluídos. A concentração correta do produto é de 1kg de própolis para 900ml de álcool de cereais, não sendo assim, não terá o efeito desejado.
O biólogo explica como usar o própolis contra a dengue:

Uso Preventivo

A tintura de própolis na prevenção ao mosquito da dengue deve ser ingerida da seguinte forma:

Adultos: de 30 a 40 gotas diluídas em água(ausente de cloro). Um copo a cada 6 horas.

Crianças: Crianças de 0 a 10 anos deverão tomar a metade do peso corporal em gotas diluídas em água(sem cloro) quantidade a critério.


Uso com a Dengue instalada(tratamento radical)

Adultos: Tomar 7,5ml do extrato de própolis diluído em água(sem cloro).1/2 copo na crise febril, ou seja, quando a febre se mostrar mais elevada. A partir daí, repetir esta mesma dosagem por mais 3 vezes a cada 2 horas.

Crianças de 0 a 3 anos: 1,5ml do extrato de própolis diluído em água sem cloro (quantidade da água à critério) quando a febre se mostrar mais elevada. A partir daí, repetir essa dosagem mais 3 vezes a cada 2 horas.

Crianças de 6 a 10 anos: 5,0ml do extrato de própolis diluído em água sem cloro (quantidade de água a critério) quando a febre se mostrar mais severa. A partir daí repetir a dosagem por 3 vezes a cada 2 horas.


Ninguém divulga porque não há interesse, a propólis é barata e não enriquece ninguém. As indústrias farmacêuticas ganham fortunas com remédios para amenizar os sintomas da dengue, a Johnson ganha fortunas vendendo o OFF, que é repelente de insetos.

Um comentário:

fabiola telles disse...

Estou cursando mestrado em ciencias da educação e desenvolvi um trabalho de Combate a Dengue nas duas escolas as quais leciono, venho acompanhando este assunto desde os primeiros noticiários do Rio que demorou em reconhecer que os médicos não estavm prontos para atender pacientes com dengue e de reconhece-la como uma epidemia nacional. Por isso escolhi este assunto para minha tese: o combate a dengue, que venhe ocorrendo no multirão de formiguinhas e que vem ajudando o Brasil a vencer o mosquito. Gostaria muito de contar com sua parceria para este trabalho de tesi e gostaria de saber se há respostas positivas com pessoas que usaram a propolis se elas realmente venceram ou contornaram os efeitos da dengue, seique apenas as femeas sao hematofogas e picam as vitimas em busca de alimento enquanto os machos sao insetos arboreos se alimenttam da seiva de frutos. E dificil fazer parcerias, em nossa escola pesquisamos e atuamos na sociedade, os alunos fizeram graficos, desenhos, parodias, teatros, multiram de limpeza, visitaram casas, trocaram informações, produziram velas, incensos, mochilas de panos, observaram as caixa e reservatorios de agua, esfregarm aqueles que precisavam, recolheram o lixo e produziram sacolas de pano, além de reforçarem a coleta seletiva e promoverem a mudanças de hábitos saudáveis